domingo, 25 de maio de 2014

BRINCANDO COM A LÍNGUA: NÃO MALTRATE O PORTUGUÊS - Ah, os pronomes...

A massa ainda comerá o biscoito fino que fabrico.
Por Therezinha Hernandes.

Quando se trata de colocação dos pronomes pessoais oblíquos átonos, o uso que fazemos deles na linguagem falada é bem diferente do que se faz na escrita.

O mote para essa questão veio de um encontro recente com escritores de Cabo Verde (para saber mais sobre Cabo Verde, clique aqui). Eu nada sabia desse país até ler “O Tambor Africano”, coletânea de contos populares dos cinco países de fala portuguesa na África, recontados por Susana Ventura*.

Como era de se esperar, a pronúncia de certas palavras é um pouco diferente da nossa; a ordem das palavras dentro das frases também muda um tanto; também há matizes de vocabulário, palavras que não usamos aqui mas são frequentes por lá – nós temos o colorido brasileiro, os cabo-verdianos (ou caboverdianos) têm o deles. Além do português, em Cabo Verde fala-se crioulo – delicioso de se ouvir.

As diferenças vocabulares e de construção frasal não chegam a atrapalhar o entendimento. Prefiro pensar que não há um oceano nos separando, e sim que compartilhamos o mesmo oceano. A língua nos une.

Algo que sempre me chamou a atenção foi a colocação dos pronomes átonos dentro das frases. Outros países lusófonos (que falam português) seguem bem de perto o uso que se faz em Portugal, mas nós, brasileiros, não seguimos à risca essa tradição a não ser na escrita ou em situações muito formais.

No caso dos pronomes, nós brasileiros tendemos a colocá-los antes do verbo (próclise), enquanto os portugueses habitualmente os colocam depois (ênclise). Muito raramente usamos a mesóclise, ou seja, o pronome no meio do verbo. Oswald de Andrade já falava desse assunto no poema “Pronominais”:

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro

Visto que, na nossa fala quotidiana, colocamos os pronomes antes do verbo, enquanto a escrita nos obriga a conhecer a tradição portuguesa, assimilar regras de colocação pronominal acaba se tornando um suplício.

No entanto, é possível facilitar a memorização, usando o mesmo princípio de exclusão aplicado à acentuação gráfica:

1) Usa-se a ênclise (pronome após o verbo) quando não for caso de próclise obrigatória, exceto quando o verbo está no particípio: “Encontramo-nos semanalmente para uma conversa amistosa.”
Porém, em “As crianças tinham queixado-se do frio” não se considera correto o emprego da ênclise após o verbo no particípio (“queixado”), preferindo-se “As crianças tinham-se (ou tinham se) queixado do frio”.

Nas orações reduzidas de infinitivo e de gerúndio usa-se somente a ênclise: “É necessário mostrar-lhes um caminho”.

2) Com verbos no futuro do presente ou no futuro do pretérito, exceto quando o sujeito vem expresso na oração, é obrigatória a mesóclise: “Dar-te-ei o céu...” (“darei” – futuro do presente do indicativo); “Dir-se-ia que nos sentamos à mesa...” (“diria” – futuro do pretérito do indicativo).
Mas: “EU te darei o céu, meu bem, e o meu amor também...” (EU – pronome pessoal reto; sujeito explícito, próclise obrigatória).

3) Desde que não inicie período, o pronome oblíquo átono proclítico estará sempre correto. No entanto, após uma vírgula (pausa), há preferência pela ênclise.

Alguns dos casos de próclise obrigatória podem ser resumidos na palavra “RINSAGEM” (processo mnemônico):

R =  pronomes relativos (“O rapaz QUE me assaltou não parecia suspeito”).
I  =  pronomes indefinidos, pronomes interrogativos (“Na natureza NADA se cria; TUDO se transforma”. “QUEM me vê assim, cantando, não sabe nada de mim”. “De todos estes livros, QUAL te agrada mais?”).
N =  palavras ou expressões negativas (“NADA o assusta”. “NUNCA lhe deram escolha”. “NÃO me diga o que fazer”).
S  =  pronomes substantivos e conjunções subordinativas (“Ele sabe QUE o convidaram, mas não irá à festa”).
A = advérbios (“QUANDO se deu conta da situação, já era tarde demais”. “AQUI se faz, AQUI se paga”)
GEM  =  verbo no gerúndio, precedido da preposição “em” (“Nesta terra, EM se PLANTANDO, tudo dá”).

Outro caso de próclise obrigatória ocorre quando a forma verbal é proparoxítona: “Ele não trabalhava; por isso, nós o censurávamos”.

Por fim, usa-se o pronome antes do verbo quando se tratar de orações exclamativas, optativas ou interrogativas: “Deus lhe pague!”, “Quando te arrependerás de teus pecados?”, “Deus me livre de gente falsa!”.

Como já enfatizamos, o português falado no Brasil prefere a próclise. No entanto, é necessário conhecer a norma culta de colocação pronominal, especialmente se estivermos diante de alguma prova ou concurso...


3 comentários:

  1. "Deus lhe pague" Explicou tudinho como para que ninguem bote defeito! Gostei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maggie!!
      Fico feliz por você acompanhar a coluna.
      Beijão e uma semana de êxitos para você.
      TT

      Excluir